Os pombos (Columbia livia) são originários do continente europeu, foram introduzidos no Brasil por volta do século XVII. Encontra-se em abundancia nos grandes centros urbanos onde adaptaram-se com muita facilidade devido à ausência de predadores e oferta de alimento. São também vetores de doenças como Criptococose, Histoplasmose, Toxoplasmose, Salmonelose, Ornitose, Dermatites e alergias.

Por serem protegidos por lei, e proibido seu extermínio, o seu controle é obtido através da instalação de repelentes, telas e espiculas impedindo seu acesso e a permanência nos forros e telhados.

Vedação dos acessos: é importante identificar todos os acessos que os pombos utilizam para entrar nos locais onde constroem seus ninhos. Esses acessos devem ser obstruídos. De acordo com a situação, vários materiais podem ser utilizados para vedar as entradas. Em vãos de telhados com telhas de amianto onduladas devem-se
fechar cuidadosamente os vãos que permitem a entrada dos pombos para dentro do forro do telhado com tela metálica ou plástica, madeira ou alvenaria;

Repelentes: produto não tóxico utilizado para expulsar os pombos instalados em locais fechados como forros de residências, clinicas, hospitais, empresas, etc;

Espiculas:  instaladas em beirais, muros, parapeitos e caixas de ar condicionado. Impedem o pouso e a permanência dos pombos nas superfícies afugentando-os para outras áreas.